Passeio de uma dia por Guararema / São Paulo

Eai pessoal, tudo certo? Nesse post vou falar sobre Guararema, do tupi gwra’rema, que significa “madeira mal-cheirosa” pelo fato de que a cidade possui uma espécie de árvore com essa característica, conhecida como pau-d’alho. Guararema é uma cidade que fica no interior do estado de São Paulo a aproximadamente 80 km da capital, São Paulo. Eu nunca tinha ouvido falar sobre essa cidade e, por convite de amigos, acabei indo e achei a cidade muito bonita e organizada. Por esse motivo, resolvi escrever para que outras pessoas, assim como eu, que nunca ouviram falar, possam se interessar e ir lá passear um pouco e aproveitar.

Imagem retirada do site http://guararema.sp.gov.br/turismo/

Na imagem acima, você pode ser um mapa ilustrativo com alguns pontos de interesse da cidade que vou falar nessa publicação. Obviamente que, como fiquei apenas umas 7 horas na cidade, não consegui visitar tudo. Mas, espero que gostem das dicas e que possam ir visitar a cidade.

Entrada de Guararema/SP. Fonte: Wikipedia

De início, posso dizer que chegar de carro em Guararema é bem tranquilo pois as estradas são boas, até porque concessionárias cuidam e você tem que pagar (pedágios) para usar as rodovias. Logo na entrada da cidade, você pode ver como ela é bonita e bem cuidada. Após entrar na cidade, chegamos num calçadão onde é possível ver o Rio Paraíba do Sul e ir para o Parque Municipal Recanto do Américo. Infelizmente, o parque estava fechado e não pudemos ir. Logo abaixo, vou falar sobre os pontos de interesse e, no fim, vou colocar o link com todas as imagens dessa viagem.

O primeiro ponto de interesse que visitamos foi a Paróquia São Benedito.

Paróquia São Benedito vista de dentro.

Dizem que essa paróquia foi construida por uma ex-escrava em torno dos anos 1800. O local é bem bonito, a igreja é bem aconchegante e cheia de história. É um local para você olhar e apreciar. (Demoramos em torno de 5-10min no local).

Após sair da paróquia, fomos conhecer o Pátio Zé da Bala e Travessia Dona Victória.

Placa da entrada do Pátio Zé da Bala

Zé da Bala era um homem da cidade, chamado José Ferreira de Andrade, que distribuía balas para as crianças da cidade e, por isso, ficou reconhecido com este apelido. Logo no pátio, seguimos pela travessia Dona Victória, que recebeu esse nome em homenagem a esposa do Zé da Bala. (Demoramos nem 5 minutos pois não há muito o que se ver).

Após passar pela travessia Dona Victória, chegamos ao Centro Artesanal Dona Nenê.

O centro artesanal é uma loja, com paredes de vidro, onde pessoas vendem artesanatos, chapeis, lembrancinhas e coisas legais para você decorar sua casa.  (Demoramos uns 10 minutos no local para olhar todos os itens disponíveis para venda).

Saímos do centro artesanal e fomos para a Ilha Grande.

Placa de entrada da Ilha Grande.

Apesar de ter esse nome, a Ilha Grande é pequena. Logo antes da entrada tem uma fonte com uma escultura de 3 peixes. Infelizmente, a fonte não estava ligada no dia. Ao entrar na ilha, passamos pela ponte e podemos ver algumas capivaras perto e muitos peixes no rio. As pessoas jogam comida para os peixes e eles ficam ali, disputando por comida. A ilha é bem bonita e muito verde. É um lugar ótimo para fazer uma caminhada, se exercitar e passar algumas horas do dia respirando um ar fresco. (Demoramos em torno de 30min-1hora no local).

Saímos da Ilha e fomos visitar a biblioteca da cidade, chamada de Estação Literária

Essa biblioteca é um local extremamente legal, gostaria de ter uma dessa aonde eu moro. Lá, há computadores para acesso à internet, livros, jogos de tabuleiro, uma salinha com sofás, tv e filmes. Há também uma lanchonete, auditório, brinquedoteca… Deve ter mais coisas, pois demos apenas uma passada rápida por lá. Tiramos mais fotos do local, confira o link no fim da publicação. (Demoramos em torno de 10 minutos no local).

Após visitarmos a estação literária, fomos para a Estação Guararema.

Estação Ferroviária Guararema

A estação é bem bonita. O trem, conhecido como “Velha Senhora”, conta com três carros de passageiros e circula entre esta estação e a estação Luis Carlos, que falarei mais a frente, e há a possibilidade de comprar as passagens online, visite o site da estação (Compre passagens para o trem de guararema). Lembre-se, caso você for comprar, de olhar no Peixe Urbano para garantir umas promoções. Nessa estação, além da bilheteria, há alguns itens antigos para ver, como, por exemplo, um Spagnoletti, instrumento utilizado para marcar e controlar a saída do trem da estação, um carimbador de fita automática, uma máquina de datilografar, um pesador, fotos antigas, mapa da malha ferroviária do estado de São Paulo e muito mais. (Gastamos em torno de 20 minutos no local).

Paramos para almoçar. Escolhemos o restaurante Restaurante Roça & Poesia.

O local é bem aconchegante, comidas vendidas a la carte (você compra o prato). Os preços foram bons, em média R$ 20-30 por prato e uns R$ 4-5 pelo refrigerante e uns R$ 7-9 por suco. Recomendo o restaurante para almoçar ou tomar um café.

Após o almoço, resolvemos pegar o carro e ir para o Mirante da cidade.

Mirante em Guararema

O Mirante foi recém construido. Fica numa área a 646m acima do nível do mar. De lá, conseguimos ver toda a cidade e tirar belas fotos. Além disso, veja a foto acima, lá possui um lugar com a escrita Guararema, para que você possa tirar várias fotos. Outra coisa bem legal que tem lá é um restaurante com tema de avião/aeronáutica. Infelizmente não chegamos a ir no restaurante, mas entrei no local para ver como era. (Gastamos em torno de 20-40min no local).

Depois de sair do mirante, voltamos à estrada e fomos para a Estação Ferroviária Luis Carlos.

Maria-Fumaça 353, conhecida como “Velha Senhora”.

Fomos de carro, pois essa estação é um pouco distante do centro da cidade. A estação foi inaugurada em 1914 e tem esse nome devido ao responsável pela autorização da construção da estação. Além disso, Luis Carlos escreveu vários livros e foi para a Academia Brasileira de Letras em 1926. O local é muito bonito, além da estação, há casas e construções que remarcam da época da construção da estação. Há uma igreja bem bonitinha, chamada Igreja de São Lourenço, que foi construida em 1906. Há alguns lugares para comprar comida e bebida. No próximo item, vou falar de um desses lugares, que fomos para tomar um café. (Gastamos 1-2 horas visitando os locais perto da estação).

Megandra

Vista de frente do Megandra

Megandra é um local onde eles vendem artesanatos, roupas, bolos, cafés e tem, também, um espaço para praticar yoga. Eles oferecem aulas em alguns dias. Além das vendas, Megandra é um local legal para sentar e apreciar o ambiente que eles criaram, bem zen. Única coisa que não curtimos muito lá foi a cobrança de R$ 5 caso você não consuma nada no local. O local é legal, recomendo ir para comer algo, até porque a visita em si não demora 5 minutos. (Gastamos uns 30 minutos no local pois tomamos uns cafés).

Fotos dessa viagem maravilhosa

Colocar todas as fotos da viagem aqui diretamente no post fica muito ruim. Por isso, fizemos o upload de todas as imagens para a nossa página no Facebook. Você pode ver todas elas diretamente na nossa galeria.

Gostou do texto e da cidade?

Comente logo abaixo sobre o que você achou e caso você tenha alguma sugestão ou crítica para adicionar ao texto. E caso você queira compartilhar conosco alguma de suas experiências, dicas, histórias de viagens, acessa nossa página de compartilhamento de viagens e saiba mais.

No mais, siga-nos no Facebook e Instagram (@socializetrips).

Abraços e até o próximo texto.

Estevão Teixeira

Estevão Teixeira

Fundador em SocializeTrips
Mestre em ciências e doutorando em Física. Fiz intercâmbio para os EUA 2013, gosto de viajar e compartilhar boas ideias. Idealizador do Socialize Trips.
Estevão Teixeira

Últimos posts por Estevão Teixeira (exibir todos)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *